Cidades turísticas investem em ônibus abertos

Porto Alegre, Campo Grande e Brasília já oferecem o serviço aos visitantes, uma ótima oportunidade para conhecer os principais atrativos do local.

Alguns destinos turísticos adotaram um serviço de grande utilidade para o visitante: os ônibus abertos de turismo, que transportam brasileiros e estrangeiros pelos principais atrativos do local. Em alguns casos, a narração do trajeto é feita em mais de um idioma por profissionais ligados a empresas particulares ou da prefeitura da própria cidade.

A capital federal, Brasília, é uma das que oferece esse tipo de serviço. Um ônibus turístico aberto percorre 22 pontos da cidade, com o percurso narrado em português, espanhol e inglês. Entre os locais visitados estão a Praça dos Três Poderes, o Palácio da Alvorada, a Ponte Juscelino Kubitschek, conhecida como Ponte JK, e o Memorial JK. No final de semana, este ônibus estende o passeio até o Lago Paranoá, de onde o turista pode aproveitar para conhecer a orla de Brasília e até fazer um passeio de barco.

Em Porto Alegre, um ônibus de quatro metros de altura, com o segundo andar aberto, permite ao visitante contemplar a cidade de outro ângulo e conhecer informações históricas.

A linha oferece dois roteiros. Um deles, com três paradas, passa pelo centro histórico, que inclui o Parque da Redenção e a Fundação Iberê Camargo. O segundo trajeto, sem paradas, contempla a Zona Sul na cidade – e destaca paisagens naturais como a orla de Ipanema, um bairro nobre da zona sul da cidade, à beira do lago Guaíba, propriedades dos Caminhos Rurais, que inclui pequenas propriedades de agricultura familiar antes ocupadas por grandes estâncias, e o Santuário Nossa Senhora Mãe de Deus, que oferece uma vista privilegiada da cidade.

Em Campo Grande, o ônibus passa pela Casa do Artesão, um centro de artesanato do início do século XX, e pelo Parque das Nações Indígenas, um dos maiores parques do mundo, com reserva ecológica e infraestrutura para a prática de esporte e lazer. Uma empresa privada desde 2004 realiza o transporte e cerca de 182 mil turistas já experimentaram o city tour, com duração de três horas.

O secretário nacional de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz, afirma que os turistas devem estar atentos ao registro dos ônibus no Cadastur. O cadastro garante competência técnica e habilita o profissional a atuar no Brasil.
“A partir deste mês o ministério vai fiscalizar os prestadores de serviço turístico para verificar se eles estão cumprindo as exigências previstas na lei 11.771/2008, a Lei Geral do Turismo”, alerta Lummertz.

Serviço:

Brasília – Empresa Catedral Turismo – As saídas acontecem de segunda a sexta, às 10h30, 14h30 e 17h e aos sábados e domingos às 10h30, 13h, 15h30, do Brasília Shopping. O preço do passeio é R$ 30. O ônibus para três vezes durante o trajeto e fica 10 minutos no local. Crianças de 0 a 5 anos não pagam. Crianças de 6 a 12 anos e maiores de 65 anos pagam R$ 15. O barco sai do Hotel Royal Tullip. Os meses mais movimentados são junho e julho.

Porto Alegre – O passeio pode ser realizado de terça a domingo, com o Tour Centro Histórico. As saídas dos ônibus ocorrem de hora em hora, entre 9h e 16h, do terminal localizado na Travessa do Carmo, 84, na Cidade Baixa. Já o Tour Zona Sul oferece passeios de quarta a domingo, às 15h, e sábados, domingos e feriados, às 10h30 e às 15h. O valor dos ingressos é: R$18,00 (de terças a sextas-feiras) e R$20,00 (sábados, domingos e feriados).

Campo Grande – O passeio custa R$ 33 e passa por 42 pontos turísticos na capital. O embarque e o desembarque são realizados na Morada dos Baís, um centro cultural localizado na região central da cidade.

Fonte: Ministério do Turismo

Turismo do Equador lança site voltado para surfistas

O Ministério do Turismo do Equador acaba de lançar um portal com as principais informações sobre o surfe no país. O www.surfing.ec é uma ferramenta que visa auxiliar surfistas do mundo todo em busca de bons roteiros para pegar ondas. Pelo site, os usuários conhecerão melhor as praias do país com um guia dos pontos turísticos equatorianos.

Os surfistas iniciantes também podem aproveitar as dicas do site para começar a atividade de forma segura e com êxito. Um dicionário do surfe mostra, por meio de um mapa interativo, quais são as manobras do esporte. Junto ao lançamento do portal ainda ocorreu a estreia do circuito Reef Classic Guayas Turístico 2014, evento que envolve mais de 150 atletas da América Latina.

O ex-presidente da Federação Equatoriana de Surfe, Manolo Lozano, disse estar satisfeito com a nova ferramenta, pois serve para que equatorianos e turistas aproveitem os recursos do país. As principais regiões para a prática do esporte no Equador são Guayas e Manabí.

Fonte: Panrotas

Nova tendência em hostels cariocas promete se espalhar pelo Brasil em 2014

Pulseiras de identificação para turistas permitem que os “perdidos” possam ser encaminhados de volta para seus albergues.

Pelo menos seis milhões de turistas estrangeiros passaram pelo Brasil em 2013 e, segundo o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), esse número será ainda maior em 2014. Com a realização da Copa do Mundo, acredita-se que o país vá alcançar a marca dos sete milhões de visitantes. E para evitar que alguns deles fiquem perdidos pela cidade, uma nova ferramenta está sendo lançada por alguns descolados hostels cariocas – também conhecidos como albergues: o uso de pulseirinhas de identificação (Passe VIP).

A identificação, na realidade, é do hostel que o turista se hospeda. A intenção é evitar que ele perca o já tradicional cartão com a informação. “Em eventos como o Carnaval, por exemplo, é normal que os visitantes se empolguem e bebam um pouco além da conta. Isso, somado à barreira da língua e sinalização consideravelmente deficiente da cidade, dificulta a volta pro albergue. Agora, ele pode simplesmente mostrar sua pulseirinha para o taxista para chegar ao endereço certo”, explica Antonio Bindi, sócio da Passe VIP, empresa responsável pela novidade. Como não poderia deixar de ser, a boa e velha “pulseirinha” se alia a tecnologia. “Elas possuem um QR Code – código de barras em 2D – que, ao ser lido por um smartphone ou tablet, direciona para um mapa com a localização e os dados do hostel. Dessa forma, o turista pode buscar informações para transporte público e até mesmo evitar ser ludibriado por algum taxista mal intencionado”, completa.

“Agora nossos hóspedes se sentem muito mais seguros para desfrutar das belezas da cidade”, comenta Beth Agra, sócia do Contemporâneo Hostel, que fica em Botafogo. Ela conta que é muito comum que taxistas levem turistas inebriados ou perdidos para o albergue. “Já tivemos casos de pessoas que perderam o cartão do hostel e, além de não lembrar como voltar, não tinham o nosso endereço. Com a pulseira esse risco diminuiu muito. Ficou muito mais fácil e seguro”, explica.

Isabela Bragança, sócia da Casa Beludi, no Cosme Velho, também aderiu à novidade. Segundo ela, muitos hóspedes perdiam o endereço do hostel, principalmente ao ir à praia. “Como as pulseiras são resistentes à água, não temos mais esse problema”, conta. Segundo ela, o acessório é permanentemente disponibilizado na recepção do hostel para os visitantes e o número de casos do tipo caiu drasticamente. “Se podemos facilitar a vida dos turistas, porque não fazê-lo? O investimento é muito baixo e vale a pena”, diz.

O sucesso é tanto que a Hostelling International Brasil, organização certificadora de qualidade para o setor, fechou uma parceria com a PasseVIP para fornecimento gratuito em troca de publicidade nas pulseiras. Segundo Luis Geraldo, dono do Copa Hostel e porta-voz do HIB, a tendência é que albergues de todo o país comecem a aderir à nova – e simples – novidade. “O investimento é mínimo se comparado aos benefícios, e os anunciantes ainda têm a possibilidade de oferecer descontos exclusivos para os portadores das pulseiras. Todos saem ganhando: o hostel, o hóspede e o anunciante”, diz.

Sempre de olho em novidades do cenário carioca, o Restauranteur Richard Laver, dono do japonês Ki, já apostou na nova oportunidade de mídia para divulgar o seu restaurante, na Lagoa. Ele fechou uma parceria com a PasseVIP, que distribuiu as pulseiras com a sua marca entre uma seleção de hostels associados. Além de trazer nome e endereço do restaurante, a pulseira ainda oferece 10% de desconto para quem a estiver portando. “Muitos turistas pedem sugestões de onde comer, seja na recepção do hotel, seja para um taxista. Com um anúncio e um desconto ao alcance das mãos, aumentam as nossas chances de sermos escolhidos” diz .

“É uma nova mídia de divulgação que demonstra bastante criatividade, e abre um leque de oportunidades para quem tem afinidade com o público de turismo. O investimento é incrivelmente baixo para o anunciante, e o empresário de hotelaria recebe esta ferramenta para oferecer bem-estar, segurança e vantagens em descontos para seus hóspedes. Trata-se de uma situação onde há ganhos para todos os lados” explica Laver.

De acordo com Antônio Bindi, a procura pela novidade cresceu muito desde o lançamento, no final de 2013. “A PasseVIP tem recebido muitos cadastros de hostels e hotéis interessados em fazer parte da rede, além de anunciantes especializados no setor”, finaliza.

Obrigatoriedade
Vale lembrar que o uso de pulseiras de identificação é obrigatório em Aparecida do Norte, em São Paulo. A lei é de 1998, mas foi regulamentada apenas em dezembro de 2012. A intenção da medida é a mesma dos hostels cariocas: permitir que os turistas perdidos possam ser identificados e encaminhados para os pontos de hospedagem caso se percam. A cidade é o principal roteiro turístico católico do país e recebe cerca de 10 milhões de visitantes ao ano.

A PasseVIP
A empresa, localizada no Rio de Janeiro, foi fundada em 2003. Inicialmente era dedicada à venda de brindes luminosos para eventos e, posteriormente, passou a se dedicar ao mercado de pulseiras de identificação – com ou sem personalização –, além da confecção de ingressos, impressos em geral e credenciais para eventos.

Desde a sua fundação, a PasseVIP tem se dedicado a oferecer os produtos de melhor qualidade do mercado, os serviços mais ágeis e com os custos mais adequados aos seus clientes. Com trabalhos realizados em mais de duas mil cidades brasileiras e países como Angola, Chile, Paraguai, Portugal e Cabo Verde, sempre se preocupou em atender às necessidades específicas de cada tipo de cliente, incorporando novos produtos, mais opções, alterando processos e instalando novas tecnologias sempre que necessário.

Turista de Búzios pode se locomover de aquataxi

Um dos destinos mais visitados por estrangeiros no Brasil, Búzios destaca-se por oferecer um transporte aquático diferente ao turista que deseja conhecer as praias da península.

Armação dos Búzios ou Búzios, como é conhecida a península fluminense, oferece ao turista uma opção inusitada para conhecer suas 23 praias: o serviço de táxi marítimo. São pequenas embarcações que partem da praia do Canto e vão para as praias vizinhas, como a dos Ossos, a Azeda, a Azedinha, a de João Fernandes e a Tartaruga. Para ir de uma praia a outra os preços variam entre R$ 5 e R$ 10. A experiência permite ao passageiro contemplar as belezas da península de  outro ângulo.

Búzios é o quinto destino mais visitado por estrangeiros no Brasil a lazer, segundo a pesquisa de Demanda Turística Internacional do Ministério do Turismo. Cerca de 8% dos turistas estrangeiros que vêm ao Brasil passam por lá. No município é comum ouvir pelas ruas e praias o castelhano, língua falada pelos turistas mais frequentes, argentinos (67%), chilenos (17%) e uruguaios (5%).

Búzios era uma vila de pescadores que ganhou projeção após ser visitado pela atriz Brigitte Bardot nos anos 60. A artista ganhou até uma estátua e o nome da Orla principal, a Orla Bardot. O balneário, a 170 km da capital do Rio de Janeiro, têm a água transparente e um azul cristalino, com praias curtas, de faixa de areia estreita ou mais extensas, como Geribá e Tucuns, onde é possível praticar surf, stand up paddle, vela e kitesurf. De um lado da península as águas são mais frias por conta corrente marítima que vem do Pólo Sul e do outro lado as águas são mais quentes.

O reduto ecológico também é indicado para a prática de mergulho, com destaque para as praias de João Fernandes, João Fernandinho, do Forno, Azeda e Azedinha. Toda a costa de Búzios é rica em vida marinha,  por conta das correntes oceânicas geladas vindas da Antártica e que trazem ricos nutrientes. Atrás deles chegam peixes grandes como a garoupa, o mero e a arraia gigante. Frades, anchovas, barracudas e até tartarugas verdes também podem ser avistadas, além de muitos corais.

Para passear ou experimentar a culinária local, os turistas podem visitar a Rua das Pedras, onde se concentram os restaurantes, os bares e as lojas. Para apreciar o pôr do sol indica-se o Cais do Porto, que também dispõem de restaurantes e galerias.

Fonte: Ministério do Turismo

6 capitais estão no Top 10 brasileiro com destinos de melhor custo-benefício

Entre as dez cidades com o melhor custo-benefício do Brasil para 2014 estão seis capitais, cinco delas no litoral, como mostra o ranking do www.trivago.com.br – maior comparador de preços de hotéis do mundo.

Florianópolis, Maceió, Aracaju, São Luís e João Pessoa formam o grupo de capitais litorâneas. A última capital a compor a lista das 10 cidades é Curitiba. As outras classificadas foram: Guarapari, Maragogi, Canela e Cabo Frio.

Na liderança do ranking estão a capixaba Maragogi e a alagoana Guarapari, que foram as únicas cidades do Brasil a figurar no ranking mundial do trivago das 100 cidades com o melhor custo-benefício para 2014.

Guarapari, que ficou na 33ª posição no ranking mundial, tem um valor médio de pernoite por pessoa em torno de R$ 110. Já Maragogi, município do litoral alagoano, ocupa o 71° lugar da lista mundial com preços de pernoite em torno de R$ 102 por pessoa.

A gaúcha Canela aparece em terceiro lugar na lista, com uma média de R$ 139 por pessoa. João Pessoa é a primeira capital brasileira a figurar no Top 10, ocupando a quarta colocação, com valores em torno de R$ 123 por pessoa.

Na sequência aparecem a sergipana Aracaju (R$ 128 p/pessoa) e a carioca Cabo Frio (R$ 134 p/pessoa). Por fim, as quatro capitais restantes fecham a lista: Curitiba (R$ 142 p/pessoa), Maceió (R$153 p/pessoa), Florianópolis (R$ 145 p/pessoa) e São Luís (R$ 134 p/pessoa).

Confira abaixo o ranking das cidades que entraram no top 10

1 Guarapari (Espírito Santo) 96,05%
2 Maragogi (Alagoas) 95,38%
3 Canela (Rio Grande do Sul) 95,36%
4 João Pessoa (Paraíba) 94,96%
5 Aracaju (Sergipe) 94,33%
6 Cabo Frio (Rio de Janeiro) 94,25%
7 Curitiba (Paraná) 93,59%
8 Maceió (Alagoas) 93,57%
9 Florianópolis (Santa Catarina) 93,42%
10 São Luís (Maranhão) 93,26%


Sobre o tHPI
O Índice de Preços de Hotéis Trivago é um estudo mensal que analisa a variação de preço médio de acomodações para duas pessoas nas principais cidades das Américas. Para calcular os dados, são levados em conta todos os hotéis que fazem parte do banco de dados do Trivago em todos os parceiros afiliados, como booking.com, expedia.com.br, entre outros.

O Índice é baseado em um algoritmo que leva em conta o tHPI (Índice de Preços de Hotéis Trivago) e o Ranking de Reputação Trivago. A classificação é apresentada em uma escala de 0 a 100, incluindo destinos com, no mínimo, 10 hotéis e 150 avaliações. Os preços médios calculados se referem ao período entre agosto de 2012 e agosto de 2013 e são baseados no tHPI, que mostra a variação de preço médio de acomodações para duas pessoas nas principais cidades.

Sobre o Trivago
Viajantes encontram o hotel ideal pelo melhor preço em www.trivago.com.br. Trivago é o maior site do mundo para procura de hotéis, comparando preços de mais de 700 mil hotéis em mais de 200 sites de reserva no mundo inteiro. O Trivago possui mais de 42 milhões de opiniões de hotéis e 14 milhões de fotos para facilitar a busca pelo hotel perfeito. Mais de 45 milhões de visitantes encontram mensalmente seus hotéis ideais por meio dos vários filtros de busca disponíveis e, por sua vez, economizam uma média de 35% em cada reserva. Além disso, o Trivago recebe dois milhões de buscas diárias. O Trivago foi fundado em 2005 em Düsseldorf, na Alemanha, e atualmente opera 40 plataformas internacionais em 24 línguas.

Fonte: www.trivago.com.br

Cidades históricas: uma viagem pela memória do Brasil

Turismo investiu mais de R$ 900 milhões em obras de recuperação de atrativos históricos. Vídeo institucional sobre o tema já está no ar.

Elas resgatam o passado e a cultura de nosso país em construções que resistiram ao tempo, monumentos e personagens antológicos. Espalhadas por diversos municípios brasileiros, as cidades históricas são guardiãs da riqueza de nosso passado. Elas também atraem, anualmente, grandes fluxos de turistas ao Brasil.

Minas Gerais e Goiás possuem alguns dos mais conhecidos atrativos históricos do país, como Ouro Preto (MG) e a Cidade de Goiás (GO). Por ano, esses dois estados recebem, juntos, cerca de 7,5 milhões de visitantes, de acordo com o Estudo da Demanda Turística Doméstica no Brasil, do Ministério do Turismo.

Esta é uma das razões que faz das cidades históricas uma das prioridades do Plano Nacional de Turismo (2013-2016). Desde 2009, o MTur investiu mais de R$ 900 milhões em obras de restauração em municípios que possuem localidades turísticas históricas, como São Luís (MA), como mostra o vídeo.

A capital maranhense, que em 1997 foi reconhecida como Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco, recebeu do MTur recursos de R$ 11 milhões para a recuperação de patrimônios históricos, como o Centro de Artesanato do Maranhão (Ceprama) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), onde em breve será criada a Escola Superior de Turismo e Hotelaria.

As cidades históricas também são contempladas com o parte do PAC do Turismo, para obras de sinalização turística (R$ 19 milhões) de cidades em 17 estados. Ao todo, 34 destinos históricos serão sinalizadas, de acordo com os padrões internacionais. “Investir em valorização, preservação e recuperação dos patrimônios históricos significa oferecer mais segurança, mobilidade e conforto aos turistas que vierem visitar o Brasil”, afirma o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

Fonte: Ministério do Turismo

Paraíba recebeu 1,6 milhão de turistas em 2013

A Paraíba recebeu cerca de 1,6 milhão de turistas em 2013, segundo dados divulgados hoje (21) pela PBTur. O número é 5,59% superior ao total de 2012, quando o Estado recebeu 1,5 milhão de visitantes.

A taxa de ocupação hoteleira teve média de 70,09%, aumento de 2,37%. A presidente da PBTur, Ruth Avelino, comemora os números: “A pesquisa comprova o que falávamos ao longo de todo ano passado, quando nossos hotéis já trabalhavam com uma ocupação excelente”.

Os dez maiores emissores nacionais foram São Paulo (20,71%), Pernambuco (16,91%) e Rio Grande do Norte (10,43%) e, internacionais, Estados Unidos (12,80%), Argentina (12,17%) e Portugal (11,73%).

Fonte: Panrotas

Coral Vivo oferece duas atrações turísticas em Arraial d’Ajuda – Bahia

Com proposta ambiental, projeto propaga a importância da conservação marinha.

Uma das regiões mais ricas em biodiversidade marinha do país, Arraial d’Ajuda, no extremo Sul da Bahia, conta com duas atrações turísticas com proposta ambiental oferecidas pelo Projeto Coral Vivo. No parque aquático, o público conhece espécies vivas de corais. Na badalada Rua do Mucugê, exposição de esqueletos centenários.

“Aproveitamos esses pontos de grande circulação de turistas e moradores para transmitir informações sobre a importância da conservação dos recifes de coral”, explica o biólogo Clovis Castro, coordenador geral do Projeto Coral Vivo, que é patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, e copatrocinado pelo Arraial d’Ajuda Eco Parque. O lugar foi escolhido porque nas proximidades tem duas áreas de proteção integral: o Parque Municipal Marinho do Recife de Fora e o Parque Municipal Marinho de Coroa Alta.

O Espaço Coral Vivo Mucugê é parada certa para os que circulam pela principal rua do agito. Com entrada gratuita e 200 m², ele abriga exposições sobre a biodiversidade existente no mar brasileiro. Atualmente, o público encontra colônias centenárias de cinco espécies encontradas na Bahia, como coral cérebro,coral-de-fogo, e outras de diferentes países. Elas pertencem ao acervo do Museu Nacional/UFRJ e foram emprestadas ao Projeto Coral Vivo. Além disso, uma maquete reproduz em detalhes o Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo no Arraial d’Ajuda Eco Parque. Painéis visuais educativos sobre a biodiversidade marinha, os recifes de coral da região, e as ações desse projeto sem fins lucrativos complementam as informações transmitidas pelos monitores capacitados. Lá, funciona também uma loja com a marca Coral Vivo com produtos exclusivos sobre a temática marinha brasileira – e os recursos são revertidos para ações de conservação marinha.

Quem estiver no Arraial d’Ajuda Eco Parque – além de se divertir nas piscinas de ondas, toboáguas, tirolesas, e demais atrações – pode ter contato com a vida marinha do Sul da Bahia sem custo adicional no Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo. “Nos tanques de corais, é possível conhecer espécies vivas, experimentos que estão sendo realizados e, no final, filhotes de corais de várias idades que podem ser vistos em microscópicos estereoscópicos”, conta a bióloga Débora Pires, coordenadora de comunicação do Projeto Coral Vivo e presidente da Associação Amigos do Museu Nacional/UFRJ. Na Trilha dos Recifes, painéis formam uma trilha com ilustrações e dados sobre o que são os recifes de coral e como vivem os corais: como nascem, se reproduzem, se alimentam, e como são a base de toda a vida marinha. Os visitantes contam com monitores para transmitir as informações.

Projeto Coral Vivo

A mobilização social é uma das três vertentes do Projeto Coral Vivo, que também desenvolve pesquisas científicas e ações de educação ambiental. Com sede no Rio de Janeiro, Arraial d’Ajuda foi escolhido como local da primeira base por conta da rica biodiversidade. O Coral Vivo faz parte da Rede BIOMAR (Rede de Projetos de Biodiversidade Marinha), que reúne também os projetos Tamar, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador e Albatroz. Todos patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, eles atuam de forma complementar na conservação da biodiversidade marinha do Brasil, trabalhando nas áreas de proteção e pesquisa das espécies e dos habitats relacionados. As ações do Coral Vivo são viabilizadas também pelo copatrocínio do Arraial d’Ajuda Eco Parque, e realizadas pela Associação Amigos do Museu Nacional/UFRJ (SAMN). Saiba mais sobre o Projeto Coral Vivo: www.coralvivo.org.br e fb.com/coralvivo. Telefones: (73) 3575-2353 ou (21) 2254-1228.

Serviço:

Duas atrações do Projeto Coral Vivo em Arraial d’Ajuda, Porto Seguro, Sul da Bahia.

Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo – Estrada da Balsa, Km 4,5. Funciona das 10h às 17h. Sem custo adicional, o público do Arraial d’Ajuda Eco Parque pode conhecê-lo nos dias de abertura do parque aquático, que tem datas específicas divulgadas no site: http://www.arraialecoparque.com.br/calendario/.

Espaço Coral Vivo Mucugê – Rua do Mucugê, 402. Atração gratuita. No verão, funciona de quarta a segunda-feira das 14h às 23h. Fecha todo primeiro domingo do mês.

Fonte: Influência Comunicação

Os dez países mais caros e os mais baratos da Europa em 2013

Com o chegada de 2014, o www.trivago.com.br – maior comparador de preços de hotéis do mundo – mostra quais foram os países europeus mais caros e também os mais baratos para se hospedar durante todo o ano passado. Os dados são baseados no tHPI (Índice de Preços de Hotel trivago).

Com um preço médio de R$ 611 em 2013, a Suíça foi o país europeu mais caro do ano para se hospedar. Noruega e Suécia aparecem na sequência, seguidos pela França. A Itália fecha a lista dos dez países mais caros com uma média de R$ 388 por uma diária de hotel.

A pesquisa do tHPI foi baseada nos preços médios de cada país durante todos os meses do ano passado, levando em consideração uma acomodação dupla. Na comparação com o ano de 2012, no entanto, todos os destinos sofreram deflação, inclusive os dez mais baratos.

Algumas variações apresentam uma diferença de até 14% na comparação ano a ano, como é o caso de Rússia e Polônia.

Os 10 países eurpoeus mais caros de 2013:

País Preço Médio 2013 Preço Médio 2012 Variação
Suíça R$ 611 R$ 665 -8%
Noruega R$ 515 R$ 525 -2%
Suécia R$ 477 R$ 487 -2%
França R$ 448 R$ 480 -7%
Dinamarca R$ 439 R$ 448 -2%
Reino Unido R$ 436 R$ 458 -5%
Rússia R$ 407 R$ 474 -14%
Holanda R$ 401 R$ 423 -5%
Finlândia R$ 391 R$ 397 -2%
Itália R$ 388 R$ 410 -6%

Quanto aos países mais em conta para se hospedar na Europa, o trivago verificou uma grande presença de países do leste europeu no topo da lista. A Bulgária, com um preço médio de R$ 191, aparece em primeiro lugar como o pais mais barato, seguida de Romênia, Polônia e Hungria.

A Polônia, que recebeu a Euro 2012 (Campeonato Europeu de futebol), registrou uma baixa de 14% em 2013. Portugal, Grécia e Espanha, destinos bastante procurados pelos brasileiros, também aparecem na lista.

Os 10 países europeus mais baratos de 2013:

País Preço Médio 2013 Preço Médio 2012 Variação
Bulgária R$ 191 R$ 210 -8%
Romênia R$ 200 R$ 222 -10%
Polônia R$ 206 R$ 241 -14%
Hungria R$ 238 R$ 245 -2%
Portugal R$ 277 R$ 286 -4%
Grécia R$ 280 R$ 286 -2%
Croácia R$ 299 R$ 318 -6%
Espanha R$ 302 R$ 318 -5%
República Tcheca R$ 305 R$ 327 -7%
Chipre R$ 312 R$ 337 -7%

Fonte: Trivago

Verão 2014: pesquisa revela otimismo no Turismo

Uma enquete realizada pelo Instituto de Pesquisas, Estudos e Capacitação em Turismo (Ipeturis) revelou que quase metade das agências de viagens e operadoras de turismo do País está com expectativa positiva para a atual temporada de verão. Segundo o estudo, 45,2% das empresas acreditam que a movimentação de viajantes será maior em comparação com a temporada de verão anterior.

Segundo o levantamento, o crescimento do movimento de turistas deve ficar em torno de 24,5%. “Das empresas que projetam aumento da movimentação, mais de 60% preveem alta entre 10% e 30%”, antecipa o diretor do Ipeturis, Marciano Freire. Os principais fatores que contribuem para o otimismo são as ações comerciais e de divulgação empreendidas pelas empresas (18,2%), a facilidade de pagamentos de pacotes e serviços turísticos (15,6%) e os preços promocionais para o verão (13%).

A pesquisa, que ouviu 368 empresas do segmento em 24 Estados brasileiros e no Distrito Federal, revela também equilíbrio na preferência dos turistas entre os destinos nacionais (49,3%) e internacionais (50,7%). “Nos destinos turísticos internacionais mais procurados, os motivos mais citados são compras, parques temáticos e atrações culturais. No caso dos destinos brasileiros, os atrativos são a combinação sol e praia e as belezas naturais”, conclui Freire.

As empresas apontaram também os destinos com maior expectativa de procura nesta temporada de verão. Confira abaixo a lista dos mais mencionados:

Destinos Nacionais
Fortaleza – 23,6%
Rio de Janeiro – 16,6%
Natal – 11,5%
Maceió – 10,9%
Salvador – 9,9%

Destinos Internacionais
Orlando – 15,1%
Paris – 14,4%
Miami – 14,2%
Buenos Aires – 11,5%
Nova York – 10,4%.

Fonte: Panrotas