Aumenta o número de visitantes a parques naturais de MG

O Ministério do Turismo está investindo R$ 955 mil no Parque Nacional da Serra do Cipó, de um total de 10,4 milhões destinados a obras de acesso e sinalização.

O número de visitantes aos parques naturais de Minas Gerais aumentou de 260 mil para 274 mil, de acordo com o Instituto Estadual de Florestas e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O aumento gradativo se deve a um interesse crescente dos turistas por redutos de fauna e flora. O parque da Serra do Cipó, no município de Jaboticatubas, a cerca de 100 km da capital Belo Horizonte, teve significativo aumento do número de visitantes, de 14,7 mil, em 2011, para 25 mil, em 2013.

O Ministério do Turismo investe R$ 955 mil na construção de sanitários com fossas sépticas e pontes para pedestres e veículos no Parque Nacional da Serra do Cipó. O investimento faz parte dos 10,4 milhões previstos para obras de acesso e sinalização em 11 parques nacionais em 2014. Outros cinco parques entrarão na lista para também receber recursos de divulgação e promoção no próximo ano. O objetivo é prepará-los para o aumento do número de visitantes durante a Copa do Mundo.

Além de preservar os ecossistemas locais, possibilitando a realização de pesquisas científicas, os parques são preparados para receber visitantes e admiradores do turismo ecológico. Em Minas, são 12 atrativos, sendo três parques nacionais e nove parques estaduais.

“Abrimos uma série de conversas com empresários, ambientalistas e governos locais para definir o plano de ação no médio prazo. Queremos ver os parques como um motivo pelos quais brasileiros e estrangeiros viajarão para as sedes do mundial”, afirmou Gastão Vieira.

Para a Coordenação de Estruturação da Visitação e Ecoturismo do ICMBio, instituto responsável pela administração do parque, os investimentos melhorarão a infraestrutura e os serviços oferecidos no atrativo, garantindo a boa qualidade da experiência do visitante à área natural.

O Brasil tem nas áreas protegidas seu principal ativo turístico: o país é considerado o número 1 em atrativos naturais em um ranking de competitividade em turismo do Fórum Econômico Mundial, que avalia 140 nações.

Para 2016, a ideia é ter cadeias produtivas de turismo e concessões de serviços turísticos funcionando nos parques do Estado do Rio de Janeiro, sede da Olimpíada. Em 2020, serão 69 parques nacionais brasileiros abertos à visitação.

Os parques nacionais poderiam gerar, só com visitação, pelo menos R$ 1,6 bilhão por ano, segundo estudo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Isso sem contar as cadeias produtivas dentro e em volta desses parques, cujo potencial de negócios não foi sequer estimado. O ecoturismo é o segmento turístico que mais cresce no mundo (entre 15% e 25% ao ano), de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT).

Fonte: Ministério do Turismo

Governo de Minas estabelece a gastronomia como política pública

Com a nova reforma administrativa implementada pelo governador Antonio Anastasia, a gastronomia adquire, a partir de janeiro, status de superintendência, dentro da estrutura da nova Secretaria de Estado de Turismo e de Esportes. A pasta centralizará as competências em atividades relacionadas à gastronomia.

“Será tratada como gestão de política pública, abrangendo ações articuladas nas áreas econômica, social, turística e cultural”, enfatizou o secretário de Estado de Turismo. Com isso, a sua gestão ganha maior autonomia, agilidade e intensidade, como vetor de desenvolvimento. “O grande trunfo será a possibilidade de acelerar a sua diversificação, ancorada na internacionalização e na interiorização da gastronomia. Não são trabalhos excludentes, e sim complementares”, justificou o secretário.

Outra grande novidade é que o Circuito Cultural da Praça da Liberdade recebe de presente o polo da gastronomia, a ser integrado pelo eixo da rua da Bahia. “Em frente ao Minas Tênis Clube, um casarão será restaurado para transformar-se em Agência de Fomento à Gastronomia Mineira”, revelou o secretário.

O local será muito mais do que ponto de divulgação desse bem imaterial mineiro que é a culinária. O novo espaço vai agregar eventos, demonstrações, intercâmbio de receitas da alta gastronomia com os ingredientes e pratos típicos, de raiz. Também agregará conhecimentos e pretende ser meio difusor e de troca de experiências da arte e do saber sobre aromas e sabores.

O secretário anunciou também a implementação da política de regionalização do variado cardápio espalhado pelo Estado. Serão exploradas e incrementadas como negócios a criatividade e as práticas da cozinha de Minas por região. “A diversidade culinária corresponde ao exercício da política de governo de diversificação da economia mineira, ainda dependente da mineração”, concluiu.

Entre as medidas anunciadas também está o lançamento de um site (www.mgoestadodagastronomia.com.br) que abrigará informações sobre gastronomia mineira, receitas, notícias e eventos. Na página haverá um espaço para cadastro dos empreendimentos de gastronomia e apoio à tradução de cardápios.

Fonte: Agência Minas