Empreendedores da Bahia investem em ovos de chocolate

Com mercado aquecido na Páscoa, negócio é oportunidade para empresários da região cacaueira.

Salvador – O microempreendedor individual (MEI) Carlos André Sandes, de Ilhéus (BA), há 13 anos produz chocolates caseiros para atender ao mercado do Sul da Bahia. Tudo começou quando sua mãe, Lina Eugênia Serra, que é professora, ficou responsável pela confecção de dezenas de ovos de Páscoa para os alunos. “Ajudei a fazer os ovos e os elogios foram enormes. Vi no chocolate a possibilidade de ganhar dinheiro”, lembra. De olho nesse ramo, em 2010, ele se formalizou e criou a marca Sabores do Cacau.

Às vésperas da Páscoa, Carlos André trabalha sozinho todos os dias na cozinha industrial que montou no segundo pavimento de sua residência. A expectativa é, até o dia 15 de abril, comercializar 600 unidades. Para não ter um produto “igual ao dos outros” e ser um diferencial no mercado, ele tem um segredo: os ovos são trufados. No total, 28 variedades estão em produção. “Os recheios vão desde os tradicionais napolitano, frutas secas e creme branco, até o de cupuaçu, licor de cacau e cajá”, explica.

Ele também já pensa no futuro. “Fiz o contato e estou me planejando para, no próximo ano, atender a uma rede de supermercados da cidade, após implantar o sistema de código de barras no produto”, revela. Fora do período da Páscoa, ele produz por mês 1,2 mil unidades de trufas de chocolate e planeja expandir. O próximo passo é partir para a produção de chocolates finos, com 70% de cacau. “Minha família tem dois hectares de terra, onde vou produzir uma amêndoa diferenciada para meu próprio chocolate”, planeja. O MEI vai contar com o apoio do Sebrae.

De acordo com o gestor do projeto Indústria Setorial Ilhéus – Derivados de Cacau, Eduardo Andrade, de todas as iniciativas de adequação previstas para inserção ao mercado nacional, mais de 90% podem ser subsidiadas pelo próprio Sebrae. Dentre as ações estão a criação e registro de marca, embalagem, divulgação e material de apresentação, código de barras, registro no Instituto Nacional de Patentes Industriais (INPI), Ministério da Agricultura e Vigilância Sanitária do município, elaboração de um Plano de Negócio, entre outros. “Somente depois de adequadas a essas exigências de mercado é que as marcas poderão competir, inclusive atendendo às necessidades de compras públicas”, explica o gestor.

De acordo com o publicitário Marco Lessa, idealizador e realizador do Festival Internacional do Chocolate, que acontece anualmente em Ilhéus e reúne especialistas de todo o mundo, o estado já possui mais de 15 marcas de chocolates de variedade gourmet. Em Ilhéus, há pelo menos sete lojas que comercializam, com êxito, chocolates finos com sua própria marca. Uma delas é a Chor, administrada pela esposa de Marco, a empresária Luana Lessa. A empresa aproveita essa época do ano para também produzir ovos de chocolate ao leite, branco e com 70% de cacau na mistura. Os tamanhos variam de 200g a 1kg.

Os ovos agora se misturam nas prateleiras da loja, localizada no Centro Histórico de Ilhéus, com mais 17 variedades de chocolates sofisticados, com preços que variam de R$ 4 a R$ 200. Inaugurada em setembro de 2013 recebe muitos por turistas. “Descobri a oportunidade de negócio com ovos de Páscoa depois que meu filho levou o nosso chocolate para a escola, distribuiu entre os coleguinhas e teve uma excelente aceitação”, revela Luana.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias – Bahia

Deixe uma resposta