Coral Vivo oferece duas atrações turísticas em Arraial d’Ajuda – Bahia

Com proposta ambiental, projeto propaga a importância da conservação marinha.

Uma das regiões mais ricas em biodiversidade marinha do país, Arraial d’Ajuda, no extremo Sul da Bahia, conta com duas atrações turísticas com proposta ambiental oferecidas pelo Projeto Coral Vivo. No parque aquático, o público conhece espécies vivas de corais. Na badalada Rua do Mucugê, exposição de esqueletos centenários.

“Aproveitamos esses pontos de grande circulação de turistas e moradores para transmitir informações sobre a importância da conservação dos recifes de coral”, explica o biólogo Clovis Castro, coordenador geral do Projeto Coral Vivo, que é patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, e copatrocinado pelo Arraial d’Ajuda Eco Parque. O lugar foi escolhido porque nas proximidades tem duas áreas de proteção integral: o Parque Municipal Marinho do Recife de Fora e o Parque Municipal Marinho de Coroa Alta.

O Espaço Coral Vivo Mucugê é parada certa para os que circulam pela principal rua do agito. Com entrada gratuita e 200 m², ele abriga exposições sobre a biodiversidade existente no mar brasileiro. Atualmente, o público encontra colônias centenárias de cinco espécies encontradas na Bahia, como coral cérebro,coral-de-fogo, e outras de diferentes países. Elas pertencem ao acervo do Museu Nacional/UFRJ e foram emprestadas ao Projeto Coral Vivo. Além disso, uma maquete reproduz em detalhes o Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo no Arraial d’Ajuda Eco Parque. Painéis visuais educativos sobre a biodiversidade marinha, os recifes de coral da região, e as ações desse projeto sem fins lucrativos complementam as informações transmitidas pelos monitores capacitados. Lá, funciona também uma loja com a marca Coral Vivo com produtos exclusivos sobre a temática marinha brasileira – e os recursos são revertidos para ações de conservação marinha.

Quem estiver no Arraial d’Ajuda Eco Parque – além de se divertir nas piscinas de ondas, toboáguas, tirolesas, e demais atrações – pode ter contato com a vida marinha do Sul da Bahia sem custo adicional no Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo. “Nos tanques de corais, é possível conhecer espécies vivas, experimentos que estão sendo realizados e, no final, filhotes de corais de várias idades que podem ser vistos em microscópicos estereoscópicos”, conta a bióloga Débora Pires, coordenadora de comunicação do Projeto Coral Vivo e presidente da Associação Amigos do Museu Nacional/UFRJ. Na Trilha dos Recifes, painéis formam uma trilha com ilustrações e dados sobre o que são os recifes de coral e como vivem os corais: como nascem, se reproduzem, se alimentam, e como são a base de toda a vida marinha. Os visitantes contam com monitores para transmitir as informações.

Projeto Coral Vivo

A mobilização social é uma das três vertentes do Projeto Coral Vivo, que também desenvolve pesquisas científicas e ações de educação ambiental. Com sede no Rio de Janeiro, Arraial d’Ajuda foi escolhido como local da primeira base por conta da rica biodiversidade. O Coral Vivo faz parte da Rede BIOMAR (Rede de Projetos de Biodiversidade Marinha), que reúne também os projetos Tamar, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador e Albatroz. Todos patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, eles atuam de forma complementar na conservação da biodiversidade marinha do Brasil, trabalhando nas áreas de proteção e pesquisa das espécies e dos habitats relacionados. As ações do Coral Vivo são viabilizadas também pelo copatrocínio do Arraial d’Ajuda Eco Parque, e realizadas pela Associação Amigos do Museu Nacional/UFRJ (SAMN). Saiba mais sobre o Projeto Coral Vivo: www.coralvivo.org.br e fb.com/coralvivo. Telefones: (73) 3575-2353 ou (21) 2254-1228.

Serviço:

Duas atrações do Projeto Coral Vivo em Arraial d’Ajuda, Porto Seguro, Sul da Bahia.

Centro de Visitantes e Base de Pesquisas do Coral Vivo – Estrada da Balsa, Km 4,5. Funciona das 10h às 17h. Sem custo adicional, o público do Arraial d’Ajuda Eco Parque pode conhecê-lo nos dias de abertura do parque aquático, que tem datas específicas divulgadas no site: http://www.arraialecoparque.com.br/calendario/.

Espaço Coral Vivo Mucugê – Rua do Mucugê, 402. Atração gratuita. No verão, funciona de quarta a segunda-feira das 14h às 23h. Fecha todo primeiro domingo do mês.

Fonte: Influência Comunicação

Aumenta o número de visitantes a parques naturais de MG

O Ministério do Turismo está investindo R$ 955 mil no Parque Nacional da Serra do Cipó, de um total de 10,4 milhões destinados a obras de acesso e sinalização.

O número de visitantes aos parques naturais de Minas Gerais aumentou de 260 mil para 274 mil, de acordo com o Instituto Estadual de Florestas e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O aumento gradativo se deve a um interesse crescente dos turistas por redutos de fauna e flora. O parque da Serra do Cipó, no município de Jaboticatubas, a cerca de 100 km da capital Belo Horizonte, teve significativo aumento do número de visitantes, de 14,7 mil, em 2011, para 25 mil, em 2013.

O Ministério do Turismo investe R$ 955 mil na construção de sanitários com fossas sépticas e pontes para pedestres e veículos no Parque Nacional da Serra do Cipó. O investimento faz parte dos 10,4 milhões previstos para obras de acesso e sinalização em 11 parques nacionais em 2014. Outros cinco parques entrarão na lista para também receber recursos de divulgação e promoção no próximo ano. O objetivo é prepará-los para o aumento do número de visitantes durante a Copa do Mundo.

Além de preservar os ecossistemas locais, possibilitando a realização de pesquisas científicas, os parques são preparados para receber visitantes e admiradores do turismo ecológico. Em Minas, são 12 atrativos, sendo três parques nacionais e nove parques estaduais.

“Abrimos uma série de conversas com empresários, ambientalistas e governos locais para definir o plano de ação no médio prazo. Queremos ver os parques como um motivo pelos quais brasileiros e estrangeiros viajarão para as sedes do mundial”, afirmou Gastão Vieira.

Para a Coordenação de Estruturação da Visitação e Ecoturismo do ICMBio, instituto responsável pela administração do parque, os investimentos melhorarão a infraestrutura e os serviços oferecidos no atrativo, garantindo a boa qualidade da experiência do visitante à área natural.

O Brasil tem nas áreas protegidas seu principal ativo turístico: o país é considerado o número 1 em atrativos naturais em um ranking de competitividade em turismo do Fórum Econômico Mundial, que avalia 140 nações.

Para 2016, a ideia é ter cadeias produtivas de turismo e concessões de serviços turísticos funcionando nos parques do Estado do Rio de Janeiro, sede da Olimpíada. Em 2020, serão 69 parques nacionais brasileiros abertos à visitação.

Os parques nacionais poderiam gerar, só com visitação, pelo menos R$ 1,6 bilhão por ano, segundo estudo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Isso sem contar as cadeias produtivas dentro e em volta desses parques, cujo potencial de negócios não foi sequer estimado. O ecoturismo é o segmento turístico que mais cresce no mundo (entre 15% e 25% ao ano), de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT).

Fonte: Ministério do Turismo

Brasil é modelo em turismo de aventura seguro

As normas brasileiras para segurança em turismo de aventura foram utilizadas como base para a normalização internacional do turismo de aventura, no âmbito da ISO, que deve entrar em vigor neste semestre, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta). Foi da Abeta a iniciativa, em 2009, em parceria com o MTur e o Sebrae Nacional, de apresentação ao Grupo de Trabalho de Turismo de Aventura da ISO de três normas brasileiras: a de Sistema de Gestão da Segurança em Turismo de Aventura, Informações Mínimas Preliminares a Clientes e a de Competências Mínimas do Condutor de Turismo de Aventura.

As três normas se tornaram os documentos de base para o processo de construção das normas internacionais, que durou cinco anos. “Foi um trabalho de coordenação conjunta entre Brasil e Reino Unido, que também tinha um documento referência. É uma mostra clara de como o nosso país está avançado neste sentido”, diz o coordenador de Normalização da Abeta, Leonardo Persi. “O Brasil é o país com o conjunto mais consistente de normas voltadas para o segmento de turismo de aventura e ecoturismo”, explica.

As normas internacionais ISO para o turismo de aventura devem ser publicadas no início deste ano. Depois disso, as empresas brasileiras podem sair na frente, segundo a Abeta, uma vez que quase 100 empresas nacionais já tiveram seus sistemas certificados com a norma principal deste processo – a de sistema de gestão da segurança – e teriam facilidade para se adaptar às diretrizes globais. “As empresas brasileiras de turismo de aventura poderão demonstrar, em nível mundial, que o País está no caminho certo para oferecer serviços com qualidade e segurança. Efetivamente estarão colocando em prática processos de melhoria de gestão das pequenas e microempresas, que no setor de turismo de natureza é a grande maioria dos empresários”, explica Persi.

Fonte: Panrotas

FBHA quer inserir Aparecida no roteiro do turismo religioso internacional

Foto: Silvana Toledo

Setor hoteleiro tem como foco atrair visitantes de alto poder aquisitivo para o santuário mariano, no interior de São Paulo, o maior templo católico do Brasil.

A Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) quer fomentar a visitação ao Santuário Nossa Senhora Aparecida, no estado de São Paulo, e projetá-lo como destino mundial de peregrinação. Com o propósito de incluir Aparecida no roteiro religioso internacional, a FBHA está em entendimento com o cardeal-arcebispo da cidade e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Raymundo Damasceno Assis, para realização de um encontro mundial sobre o tema, ainda este ano. Os esforços do setor de hospedagem serão voltados principalmente para atrair turistas com alto poder aquisitivo.

De olho no potencial turístico, já estão surgindo hotéis na região que atendam a esse perfil de visitante. Em 2013, o Santuário Nacional de Aparecida bateu recorde histórico de romeiros, 11,856 milhões — 742 mil pessoas a mais que em 2012. O aumento foi impulsionado, principalmente, pelo movimento de jovens, fruto da Jornada Mundial da Juventude, que aconteceu no Rio de Janeiro. Única federação com representatividade legal em âmbito nacional nos setores de hospedagem e alimentação fora do lar, a FBHA quer que Aparecida seja apresentada ao mundo.

“O Santuário Nacional de Aparecida tem tudo para se tornar um ícone do turismo religioso internacional. Em 2012, Fátima, em Portugal, recebeu cerca de 5 milhões de peregrinos e Lourdes, na França, 6 milhões. O santuário brasileiro recebe muito mais visitantes, mas a grande maioria é de turistas brasileiros. Queremos atrair pessoas de todos os continentes ao maior santuário mariano do mundo”, afirma o presidente da FBHA, Alexandre Sampaio.

O encontro internacional sobre turismo religioso reunirá representantes dos principais destinos do mundo, entre os quais Santiago de Compostela (Espanha), Fátima, Medjugorje (Bósnia) e Lourdes. O Brasil quer conquistar espaço nesse nicho turístico. Serão discutidos o atual momento do turismo religioso como segmento de mercado, os principais agentes, a infraestrutura, os destinos, os produtos e os serviços.

“O turismo religioso é uma das principais vocações de Aparecida e, por isso, apostamos na captação de peregrinos internacionais. Para tanto, a cidade precisará investir em infraestrutura”, analisa o presidente do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes de Aparecida e Vale Histórico (Sinhores), Ernesto Elache.

Desde 2010, Aparecida é um dos roteiros indicados aos fiéis de todo o mundo pela Ópera Romana Peregrinação, agência de viagens do Vaticano.

Fonte: FBHA

Aberta seleção para compor grupo de Turismo Náutico

A ficha de candidatura, o estatuto e a lista de representados (associados/filiados) deverão ser encaminhados para o MTur até o dia 29 de janeiro.

As entidades interessadas em compor o Grupo de Trabalho de Turismo Náutico (GTT-Náutico) tem até 29 de janeiro para enviar as fichas de candidatura para o Ministério do Turismo (MTur). A ficha de candidatura, o estatuto e a lista de representados (associados/filiados) deverão ser encaminhados para nautico@turismo.gov.br.

O GTT-Náutico é um grupo consultivo-propositivo que tem por objetivo debater as principais questões relativas ao turismo náutico, com o propósito de subsidiar a elaboração de políticas públicas e o desencadeamento de ações necessárias para desenvolver o segmento no Brasil.

O grupo atualmente é composto por representantes de órgãos e entidades do setor público, da iniciativa privada e do terceiro setor convidados. O GT já realizou 21 reuniões e, desde a sua criação, em março de 2009, tem facilitado o desenvolvimento do segmento. Serão selecionadas até seis entidades para compor o GTT-Náutico, sendo até cinco associações, federações, sindicatos e entidades de classe com representatividade nacional, atuantes no turismo náutico e uma instituição de ensino atuante no turismo náutico. Para se candidatar  à seleção é preciso atender aos requisitos.

Entre os avanços alcançados pelo grupo nos últimos anos estão a adequação de questões tributárias, em parceria com a Receita Federal, e a autorização para a construção, exploração e ampliação de terminal portuário de uso privativo de turismo para a movimentação de passageiros, em parceria com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários.

O Brasil apresenta um dos maiores potenciais de desenvolvimento do Turismo Náutico do mundo. São 8.500 km de linha de costa, 35 mil km de vias internas navegáveis, 9.260 km de margens de reservatórios de água doce, lagos e lagoas. “A orla brasileira é prioridade do Plano Nacional de Turismo. A expectativa é que possamos desburocratizar o marco regulatório e criar um ambiente de investimentos nessa área”, disse o secretário nacional de Políticas do Turismo, Vinícius Lummertz.

Até 30 dias após a aprovação das novas entidades pelo GTT-Náutico será publicada uma portaria com as novas entidades participantes. A primeira reunião do grupo está prevista para 4 de fevereiro. Entre os assuntos a serem discutidos, este ano, estão a proposta de confecção de guia de boas práticas ambientais para construção de marinas e pontos de apoio, agenda comercial de participação em eventos internacionais, atualização de resoluções e normativas de órgãos federais e a proposta de torre de controle de cruzeiros marítimos.

Fonte: Ministério do Turismo

Verão 2014: pesquisa revela otimismo no Turismo

Uma enquete realizada pelo Instituto de Pesquisas, Estudos e Capacitação em Turismo (Ipeturis) revelou que quase metade das agências de viagens e operadoras de turismo do País está com expectativa positiva para a atual temporada de verão. Segundo o estudo, 45,2% das empresas acreditam que a movimentação de viajantes será maior em comparação com a temporada de verão anterior.

Segundo o levantamento, o crescimento do movimento de turistas deve ficar em torno de 24,5%. “Das empresas que projetam aumento da movimentação, mais de 60% preveem alta entre 10% e 30%”, antecipa o diretor do Ipeturis, Marciano Freire. Os principais fatores que contribuem para o otimismo são as ações comerciais e de divulgação empreendidas pelas empresas (18,2%), a facilidade de pagamentos de pacotes e serviços turísticos (15,6%) e os preços promocionais para o verão (13%).

A pesquisa, que ouviu 368 empresas do segmento em 24 Estados brasileiros e no Distrito Federal, revela também equilíbrio na preferência dos turistas entre os destinos nacionais (49,3%) e internacionais (50,7%). “Nos destinos turísticos internacionais mais procurados, os motivos mais citados são compras, parques temáticos e atrações culturais. No caso dos destinos brasileiros, os atrativos são a combinação sol e praia e as belezas naturais”, conclui Freire.

As empresas apontaram também os destinos com maior expectativa de procura nesta temporada de verão. Confira abaixo a lista dos mais mencionados:

Destinos Nacionais
Fortaleza – 23,6%
Rio de Janeiro – 16,6%
Natal – 11,5%
Maceió – 10,9%
Salvador – 9,9%

Destinos Internacionais
Orlando – 15,1%
Paris – 14,4%
Miami – 14,2%
Buenos Aires – 11,5%
Nova York – 10,4%.

Fonte: Panrotas

Turismo investe em atendimento bilíngue para a Copa

Entre as ações de comunicação estão os novos Centros de Atendimento ao Turista (CATs) e o ensino de idiomas a profissionais ligados ao setor, como taxistas, agentes de turismo, além de policiais civis e militares, guardas municipais e corpo de bombeiros.

O atendimento em idioma estrangeiro é uma ação prioritária para o Ministério do Turismo para receber bem os turistas que desembarcam no país durante Copa do Mundo de 2014. Com o objetivo de atender melhor o visitante de fora e o turista brasileiro, o MTur investe em duas ações de grande repercussão: a expansão dos Centros de Atendimento ao Turista (CATs) e o ensino de idiomas a profissionais ligados ao turismo.

O aprendizado de um segundo idioma, como o inglês e o espanhol, além da Língua Brasileira de Sinais (Libras) está sendo realizado pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, o Pronatec Turismo. Entre os profissionais beneficiados estão taxistas, agentes de turismo, além de policiais civis e militares, guardas municipais e corpo de bombeiros, todos em contato direto com os visitantes. Além do curso de idiomas o Pronatec oferece mais 44 cursos com foco do atendimento ao turista.

Ao investir na comunicação com o turista, o MTur atende a uma das principais reivindicações dos estrangeiros que visitaram o país durante a Copa das Confederações: melhorar o atendimento em língua estrangeira. Durante o torneio, metade dos turistas estrangeiros que visitaram o país manifestaram dificuldades em se comunicar, de acordo com uma pesquisa do Ministério do Turismo (MTur), feita em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE). No período foram entrevistados 1.338 turistas estrangeiros em aeroportos brasileiros.

A segunda ação de mobilização do Ministério do Turismo visa a expansão dos Centros de Atendimento ao Turista (CATs), locais especializados ao atendimento e orientação dos turistas em mais de um idioma. O MTur reservou R$ 37 milhões para investimento em 105 centros, todos em estados-sede da Copa, em operação até a Copa do Mundo. A ação é uma parceria com estados e municípios, que investem mais R$ 3,3 milhões.

O investimento cobre reformas de CATs antigos, construção de novas unidades fixas e investimentos em unidades móveis, como vans e patinetes elétricos, que irão circular pelos principais centros de concentração de turistas. Em São Paulo, dois patinetes elétricos vão circular nos entornos do Arena Corinthians para atender aos turistas, em uma experiência inédita no país.

São esperados 600 mil turistas estrangeiros para a Copa do Mundo, segundo o Ministério do Esporte, um número bem maior do que os estrangeiros que vieram para a Copa das Confederações (25 mil), segundo o Ministério do Turismo.

Fonte: ASCOM Ministério do Turismo

Cresce a intenção do brasileiro de viajar para o Sul

Estudo do Ministério do Turismo mostra que a região ultrapassou o Sudeste na intenção de viagem do brasileiro, pela primeira vez no ano, ficando atrás apenas do Nordeste.

A Região Sul ultrapassou a Região Sudeste e passou a ocupar a segunda posição entre os destinos preferidos dos brasileiros. É o que revela uma pesquisa do Ministério do Turismo, realizada em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. O Nordeste se mantém líder com 40,1%, seguido pelo Sul com 23,3%, Sudeste 21,7%, Centro-Oeste 8,3% e Norte 6,6%. Este ano, foi a única vez no ano que o Sul ultrapassou o Sudeste.

A última Sondagem do Consumidor – Intenção de Viagem, de dezembro, monitora a intenção de viagem do brasileiro pelos próximos seis meses, o que inclui períodos de alta temporada como as férias de Janeiro, o Carnaval e o período de Copa do Mundo. De acordo com o estudo, 23,3% dos viajantes em turismo pelo Sul virão de outras regiões do país.

De acordo com a pesquisa, realizada mensalmente em Brasília, Salvador, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte, mais de 37% dos entrevistados pretendem viajar nos próximos seis meses pelo Brasil e exterior, o maior índice do ano.

O percentual de interessados em destinos nacionais também foi recorde anual: 76,2% frente aos 22% que devem desembarcar em outros países. A pesquisa, realizada em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, mostra também que 53,2% dos entrevistados pretendem viajar de avião. Em dezembro de 2012 eram 43,7%. O segundo meio de transporte mais utilizado será o automóvel, com 35%, e o ônibus, com 7,8%.

A maioria dos entrevistados (48%) pretende hospedar-se em hotéis e pousadas e uma parcela menor (39,8%) afirma preferir casa de parentes e amigos.

Fonte: Ministério do Turismo

Vai sair de férias? Confira o que levar na bagagem de mão

Mais de 7,2 milhões de brasileiros viajaram para outros países ao longo de 2011, de acordo com o último levantamento divulgado pelo Ministério do Turismo. Durante as férias deste início de ano, é possível que mais de 500 mil pessoas embarquem para o exterior. Como em muitos países é obrigatória a contratação de um serviço de seguro ou assistência viagem, a Assist Card Brasil, integrante do maior grupo de assistência ao viajante do mundo, preparou algumas dicas sobre o que pode ser levado na bagagem de mão para você não perder tempo no aeroporto:

Bagagem de mão em voos domésticos
Nos voos domésticos, aqueles que acontecem dentro do próprio país, são permitidos levar bagagem de mão – sacolas, bolsas de mão, pastas, maletas, entre outros – com peso máximo de 5 kg e com até 115 cm de dimensões cúbicas. Isso significa que a somatória do comprimento, largura e altura não pode ser superior a esse limite.

A bagagem de mão deve ser acomodada nos compartimentos acima das poltronas ou embaixo do assento. Outro detalhe importante é que a bagagem não pode, em nenhuma hipótese, incomodar os outros viajantes, nem representar risco de segurança aos demais durante o voo.
Bagagem de mão em voos internacionais

Nas viagens internacionais, os limites dependem de regras e convenções estabelecidas por tratados regionais, de comunidades de países e continentes. As maiores restrições estão relacionadas a líquidos.

Em frascos com capacidade de até 100 ml, devem ser colocados em embalagem plástica transparente, vedada, com capacidade máxima de 1 litro, não excedendo as dimensões de 20 x 20 cm. Acima de 100 ml não é permitido o transporte, mesmo que o frasco não esteja cheio. A fiscalização do aeroporto pode, nesses casos, apreender o produto e impedir seu embarque.

A embalagem plástica que envolve o frasco deve ser apresentada na inspeção de embarque de passageiros. Também é importante alertar que é permitida somente uma embalagem plástica por passageiro.

Bagagem de mão nos EUA
O turista que vai aos Estados Unidos precisa pagar uma taxa de franquia, que sofre variação de acordo com o local de destino. Mas ao viajar para este destino – e também para a África do Sul – é possível levar até dois volumes, cada um com peso máximo de 32 kg e dimensões cúbicas (somando o comprimento, largura e altura) de até 158 cm. Estas regras não têm validade para as bagagens de menores de dois anos, pois estes não têm direito à franquia, nem ao transporte de pets.
Cosméticos na bagagem de mão

Qualquer tipo de cosmético pode ser levado na bagagem de mão. Produtos de higiene pessoal, como escova e pasta de dente, não podem faltar, principalmente em viagens longas. Se for levar perfume, o turista não pode exceder o limite de 100ml. Além disso, o conteúdo precisa ser acondicionado em embalagem plástica e transparente.

Somente os produtos que o turista comprar no free shop do aeroporto, mesmo que excedam os 100 ml, podem ser levados com você na bagagem de mão. Entretanto, para evitar que a fiscalização do aeroporto retenha sua compra, mantenha o produto em sua embalagem plástica original e guarde o recibo de compra.
O que não levar na bagagem de mão

Depois dos atentados terroristas de 11 de setembro (2001) nos EUA, nenhum aeroporto do mundo permite o transporte de objetos cortantes – como tesoura, lixa, canivete, cortador de unhas – em sua bagagem de mão, bem como líquidos com quantidade superior a 100ml. Se precisar levar algum desses utensílios, coloque na mala grande a ser despachada.

Sobre a Assist Card
A Assist Card é a maior empresa de assistência viagem do mundo, há mais de 41 anos no mercado oferecendo soluções locais a emergências no exterior, sem nenhum custo adicional para o seu cliente. Atualmente, a companhia esta presente em 110 países, o que confere a habilidade única de atuar em minutos em quase qualquer lugar do mundo. Por ano, a empresa realiza mais de 400 mil atendimentos a pessoas em viagem.

A companhia opera 24 horas, todos os dias, faz o atendimento no idioma dos seus sete milhões de clientes em todo o mundo e oferece acesso a mais de 155 mil prestadores de serviços de assistência médica e odontológica internacional, jurídica e de bagagem. Além desses serviços, a companhia também conta com seguros de Cancelamento de Viagem, Acidentes Pessoais e Bagagem entre outros.

Turismo fatura 8,6% a mais no terceiro trimestre de 2013

Fonte: Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

Fonte: Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

O segmento de parques e atrações turísticas (18%) foi o que registrou o maior aumento, seguido pelo setor aéreo (12,2%) e pelos organizadores de eventos (8,1%).

O faturamento das empresas do setor de turismo cresceu, em média, 8,6% no terceiro trimestre de 2013 na comparação com o mesmo período de 2012.  Foi o melhor desempenho registrado no ano passado, segundo o Boletim de Desempenho Econômico do Turismo do Ministério do Turismo.

O período de julho a setembro, superou o primeiro trimestre e o segundo trimestre de 2013, que tiveram crescimento de 2,8% e 4,8% respectivamente. Os empresários ouvidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) atribuíram o resultado a fatores como os investimentos realizados nos negócios e à maior divulgação dos atrativos e roteiros turísticos.

Entre os sete segmentos pesquisados, o que registrou maior faturamento, de 18%, foi o de parques e atrações turísticas. O mesmo que, no ano passado, foi beneficiado com isenção tributária para importação de equipamentos, item da agenda de desoneração do setor proposta pelo MTur à área econômica do governo.

“Este resultado é mais uma confirmação da importância do turismo para o desempenho da economia brasileira que, no mesmo período, cresceu 2,2%. Verificamos também que a desoneração tem impactado nos resultados do setor”, avalia o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

O segundo segmento em aumento de faturamento no trimestre foi o de transporte aéreo, com 12,2%, seguido pelas organizadoras de eventos, com 8,1%, e das agências de viagens, com 7,9%.

Os menores percentuais foram registrados pelos operadores de turismo (4,5%), turismo receptivo (3,5%) e meios de hospedagem (2,5%). O acirramento de concorrência e a majoração de custos foram apontados pelos entrevistados como limitadores do crescimento.

A pesquisa ouviu gestores de 713 empresas com 67,8 mil empregados e faturamento de R$ 8 bilhões no terceiro trimestre de 2013.

Fonte: Ministério do Turismo